REVIEW: STUMPJUMPER FSR EXPERT CARBON 6FATTIE 2017

A bike

A Stumpjumper é uma bike que faz parte da história do MTB. Foi a primeira mountain bike produzida em série no mundo. Uma boa opção para o primeiro review feito pela equipe do Destino MTB.

Está no mercado desde 1981 e claro, muito mudou de lá pra cá.

Atualmente é produzida somente na versão full suspension (FSR), com rodas 29,

27,5 (650b) e 27,5+ (6Fattie, segundo a Specialized). A proposta é ser uma bike

versátil e pronta para encarar as trilhas.

A versão testada por nós foi a Expert Carbon 6 Fattie. Uma abaixo da versão top de linha comercializada no Brasil, a S-Works. Com rodas 27,5+, a bike chama muito a atenção e atrai a curiosidade das pessoas. Tanto pelo tamanho dos pneus (3 polegadas), quanto pelo design do quadro.

O que mais ouvi nessas últimas semanas? E aí, o que você achou da bike? Sobe bem? E nas descidas? E esse pneu? É pesada?

Vou tentar responder a todas elas neste review. Depois de quase 3 meses com a bike, gentilmente esprestada para a série pela Specialized Brasil, acho que já tenho informação suficiente para responder a todas as dúvidas.

Como foi o teste

Fiz 25 rolês com a bike, totalizando cerca de 450km rodados, devidamente registrados no strava.

Como a intenção da Stumpjumper é ser versátil, fiz de tudo com a bike: rodei no asfalto a caminho das trilhas, encarei um xc básico com os amigos, fiz vários rolês no melhor do estilo ;all mountain/enduro, encarei trilhas fluidas no Zoom Bike Park e várias séries de jumps no Nore Bike Park. Resumindo, me diverti muito para conseguir trazer esse texto pra vocês.

Subindo

Esse era o meu maior receio com a bike. Tudo bem, não gosto muito de subir, mas pra quem curte descidas técnicas, a gente sabe que faz parte.

Mas foi exatamente o que mais me surpreendeu. Sabia que a bike tinha ótimo potencial para descer, por conta dos pneus largos que rodam com pressão muito baixa (máximo de 20psi). Mas sempre imaginava que esse pneu devia

grudar muito no chão e dificultar demais a subida. Ou que as rodas muito largas com pneus mais pesados que o normal ofereceriam resistência muito grande para romper a inércia.

E pra ser sincero não sei até agora o exato motivo pelo qual a bike sobe bem.

Talvez seja por conta da leveza do quadro de carbono com balança em alumínio, ou do ajuste de fábrica no shock (rx trail tune, segundo a spzd), ou ainda pela relação levíssima 28/42 de 11 velocidades. Ou será por conta da tração absurda que os pneus oferecem, transferindo a potência da pedalada direto para o Planeta Terra? Ou a somatória de todos esses fatores? Provavelmente.

Resumindo, você não vai ganhar nenhum KOM subindo com essa bike. Lógico que uma bike de XC sobe muito melhor. Mas se seu objetivo é subir de buenas, curtindo o visual com seus amigos, e chegar no topo da montanha inteiro e pronto pra se divertir nas descidas, a Stumpy 6Fattie é uma boa escolha.

E provavelmente vai chegar inteiro no final do rolê, por conta do conforto oferecido durante o pedal.

Descendo

Destrave o shock, abra a suspensão, baixe o banco e prepare-se para se divertir.

A quantidade de tração oferecida pelos pneus, faz com que você encare trechos difíceis com mais segurança e controle. Rock gardens, trechos em off camber, lama e o que vier pela frente será muito bem vindo. Tudo isso com a sensação de estar flutuando, por conta dos pneus de grande volume. Só pilotando mesmo pra entender.

Em trilhas que já tenho certa intimidade, rolou alguns PRs (Personal Records) no Strava. E sabe aquela sensação de que dava pra ter ido mais rápido? Senti várias vezes.

Já li que muitos reclamam da torção excessiva desse tipo de pneus. Imagino que realmente deva acontecer, principalmente em trilhas muito rápidas, como o Saracura (Mairiporã/SP) ou em outras pistas de downhill. E para pilotos com um nível de tocada muito agressiva, o que não é o meu caso. Sinceramente? Não percebi nada.

Altos e baixos:

Gostei demais da porta SWAT no quadro. Um autêntico porta luvas. Tire a garrafinha d'água e aquele espaço está lá, pronto para ser usado. Como ninguém tinha pensado nisso antes? Levei fruta, snacks, suco e até um corta vento lá dentro. Impressionante. Pra quem curte rolê sem mochila é a solução perfeita.

O canote retrátil da Specialized é bom. Não falha, o acionamento no guidão (onde ficaria a alavanca do câmbio dianteiro) é uma excelente idéia e tem curso adequado. Mas é difícil fazer com que ele fique suave. Mesmo com pouca pressão, ele sobe muito rápido. Com certeza foi concebido para ser subir enquanto você está sentado sobre ele. Aí sem problemas. Mas se você acionar enquanto está em pé, suas partes baixas correm um certo risco.

O transporte foi outro problema. Como tenho levado a bike dentro do carro, tenho que tirar as duas rodas. Aí senti falta do bom e velho quick-release. Toda vez tem que pegar o canivete com as chaves. E é uma chave para a roda da frente e outra para a traseira. As chaves já vem no quadro, o que facilita bastante. Mas a praticidade do quick release é incomparável. Vi numa bike de um amigo (de outra marca) que é a mesma coisa. Padrão da indústria? Sei lá.

Resumo

Bike feita para diversão. Suba tranquilo e desça curtindo demais em qualquer tipo de trilha. Até em pista de downhill dá pra brincar com ela.

Dá pra girar no estradão? Sim, com conforto. Mas seu sua turma só pensa em sofrer e fazer força na coxa, exaltando a famigerada brutalidade, essa bike não é pra você. Ou você está na turma errada.

Ficha Técnica Resumida

Bike: Stumpjumper FSR Expert Carbon 6Fattie Quadro: Triangulo dianteiro em carbono, balança em alumínio. Suspensão: Rockshox Pike, 150mm de curso. Shock: Rockshox Monarch RT3, 135mm de curso. Freios: Sram Guide RS, com rotores de 160/180mm Transmissão: Sram GX de 11 velocidades, 28/42 Peso (sem pedal): 13,5kg (tamanho M, pneus montados com tubeless) Preço: R$33.999,00

#Fotos #Reviews #AranyTunes #Specialized

Nenhum tag.